Essa dor de cabeça é preocupante? Conheça os sinais de alarme!
23/06/2016
Leandro Teles (216 articles)
Share

Essa dor de cabeça é preocupante? Conheça os sinais de alarme!

Dor de cabeça é um sintoma muito comum na população, podendo ocorrer em ambos os sexos e todas as idades. Acredita-se que mais de 90% da população adulta tenha dores pelo menos 1 X ao ano, sendo que até 75% das mulheres e 60% dos homens apresentam dores pelo menos 1 X ao mês.

Chamados tecnicamente a dor de cabeça de “cefaleia”, sendo esse um termo inespecífico e referente ao sintoma, no caso, dor na região da cabeça (em qualquer estrutura acima do pescoço). Existem mais de 200 tipos (causas) da cefaleia, entre os mais comuns estão as dores tensionais (tensão muscular) e a famosa enxaqueca. No entanto, existem dores de cabeça que são sintomas de outras doenças como sinusites, problemas do trigêmeo, afecções dentárias, infecções, problemas hormonais, etc. Cerca de 1% de todas as dores de cabeça são provocadas por doenças potencialmente graves e preocupantes, tais como tumores, aneurismas, meningite, trombose venosa cerebral, etc.

E aí mora o perigo, é fundamental que o médico defina quais pacientes exigirão uma investigação mais minuciosa. Para isso, é fundamental uma boa histórica clínica e exames físico e neurológico bem realizados.

 

CEFALÉIAS PRIMÁRIAS (Benignas)

Chamados de cefaleias primárias aquelas dores que se apresentam de forma crônica e recorrente , em crises características. Nesses casos, a dor não ocorre em resposta a outra doença, ela é a doença em si, os exames de investigação são negativos e o tratamento deve envolver controle e prevenção dos sintomas. Esses são os tipos mais comuns e menos preocupantes de dor. As cefaleia primárias mais importantes são: enxaqueca, cefaléia tensional e cefaleia em salvas.


1- Enxaqueca

Quem tem enxaqueca tem uma tendência aumentada a ter crises bem característica de dor, são geralmente crises fortes de dor localizada de um lado da cabeça (hemicrania) e muitas vezes com característica pulsátil (latejante, como se um coração estivesse batendo dentro da cabeça). A dor pode se acompanhar de náuseas (e mesmo vômitos), o paciente pode ficar também muito sensível ao ambiente, sentindo-se incomodado com luzes, barulho e/ou cheiros fortes.

Uma crise típica de enxaqueca pode ser muito incapacitante e durar de 4 à 72 horas. O portador pode ter crises com frequência variável, os gatilhos mais importantes para enxaqueca são: pré-menstrual, estresse, ficar sem comer, consumo de álcool, privação de sono, entre outros.

A enxaqueca é mais comum em mulheres (3:1) e em pessoas com história familiar.


2- Tensional

Essa é a principal forma de dor de cabeça que existe. Crises de cefaléia tensionais são dores em peso ou opressão (em aperto), constantes (não pulsáteis), geralmente de fraca a moderada intensidade, de localização bilateral (ou difusa), geralmente sem náuseas e sem tanto incômodo ambiental (diferente da enxaqueca). A dor é provocada por tensão muscular excessiva, podendo ser desencadeada por preocupações, ansiedade, estresse excessivo, noites mal dormidas, calor excessivo, entro outros gatilhos.


3- Cefaléia em salvas

Esse tipo de cefaléia é bem característico. São crises muito fortes de duração entre 15 e 180 minutos. A dor é geralmente periocular ou no fundo do olho, unilateral, associado a vermelhidão ocular, lacrimejamento, alteração do tamanho da pupila de um lado e obstrução nasal (do mesmo lado da dor). Esse tipo peculiar de cefaléia ocorre mais frequentemente em homens, podem ocorrer inúmeras crises em um mesmo dia, justificando seu nome de cefaléia em salvas.

CEFALÉIAS PRIMÁRIAS Enxaqueca Tensional Salvas
LOCALIZAÇÃO Lateralizado Bilateral Periocular (unilateral)
INTENSIDADE Moderada a forte Leve a moderada Muito forte
DURAÇÃO 4-72 horas 30 min. a 7 dias 15 a 180 min.
TIPO DE DOR Pulsátil Constante (aperto) Pontada contínua
SINTOMAS ASSOCIADOS Náuseas/Vômitos/incomodo com luz – barulho – cheiro fortes Sem sintomas associados exuberantes Lacrimejamento/   pálpebra caída/ vermelhidão ocular / nariz escorrendo(unilaterais)

  

CEFALÉIAS SECUNDÁRIAS (Preocupantes)

Dores secundárias são dores de cabeça que ocorrem com SINTOMA de outras doenças. Inúmeras doenças apresentam a dor de cabeça com seu sintoma principal ou associado. Para identificar a doença de base é necessário definir o tipo de dor, a localização, a intensidade, os fatores de melhora e piora, o contexto clínico (idade do paciente, problemas clínicos, medicamentos, etc.), aliado aos dados do exame físico. Geralmente as dores secundárias são percepções novas para os pacientes (nunca sentida antes dessa forma), diferente das cefaleias primárias clássicas (enxaqueca e tensional) aonde o paciente geralmente reconhece o padrão estiotipado da crise.

 

SINAIS DE ALARME em DOR de CABEÇA

Abaixo iremos discutir os aspectos mais preocupantes em uma dor de cabeça, pensando no risco de uma doença potencialmente mais grave:

  • PADRÃO NOVO de DOR

Quando o paciente refere uma dor com novo padrão, ainda desconhecido por ele, isso preocupa um pouco mais o médico. Isso pois as dores PRIMÁRIAS costumam se repetir de forma relativamente estereotipada (em termos de tipo, intensidade, duração e sintomas associados). Uma dor de padrão diferente do habitual pode significar outra afecção potencialmente mais preocupante. Mas é claro que toda dor recorrente um dia apresentou seu primeiro episódio, mesmo assim é fundamental investigar e avaliar dores que escapam de características habituais para aquela paciente.
 

  • CEFALÉIA SÚBITA

Um dor de cabeça repentina, explosiva, que atinge seu ápice de intensidade em poucos segundos, é muito preocupante. Para o médico que escuta esse tipo de queixa fica o receio da ruptura ou distensão de um aneurisma cerebral (que é uma dilatação de uma artéria que pode eventualmente romper durante a vida). As dores mais comuns e benignas (primárias) geralmente começam mais leves e a intensidade aumenta progressivamente em minutos a horas (evolução insidiosa).
 

  • ASSOCIAÇÃO com SINAIS DE INFECÇÃO

Dores de cabeça associadas a febre, falta de apetite, calafrios, dores no corpo, lesões de pele ou rigidez de nuca exigem uma avaliação prioritária. Existe risco de meningite (infecção nas membranas que revestem o cérebro) ou mesmo de outras doenças infeciosas gerais, tais como dengue, gripe, sinusite (dor mais facial ou topo da cabeça), infecção dentária (dor referida ou projetada), etc. As dores tipo enxaqueca ou cefaléia tensionais não costumam causar sintomas de infecção concomitante.
 

  • DOR ASSOCIADA a ATIVIDADE FÍSICA ou SEXUAL

Dores de cabeça que ocorrem durante uma atividade física preocupam pois podem significar alterações vasculares como aneurismas e malformações arteriovenosas. O exercício aumenta a pressão arterial e a pressão intracraniana e dores que ocorrem nessa situação podem significar risco de sangramentos e lesões estruturais no compartimento intracraniano.
 

  • DOR em PESSOAS MAIS DEBILITADAS

Dores em pessoas acima de 60 anos, antecedente de tumores, problemas de coagulação, imunidade baixa, gestantes, criança pequenas, etc. merecem uma atenção toda especial. Nesses pacientes, a fragilidade torna a ocorrência de um problema mais preocupante mais provável que na população geral. Por isso, todo o cuidado com eles é pouco.
 

  • DOR com piora PROGRESSIVA

Aquela dor que acomete o paciente diariamente e que mostra-se pior a cada dia é, sem sombra de dúvida, um bom motivo para procurar rapidamente um neurologista. Esse tipo de evolução arrastada e progressiva é típico de lesões que ocupam espaço dentro do crânio, como tumores, trombose venosa, abscesso, etc.  Esse comportamento não é tão comum para enxaquecas e dores de cabeça tensionais, que geralmente mostram períodos de piora intercalados com melhora ou, eventualmente, uma dor de cabeça diária, mas estável (não progressiva).
 

  • DOR com SINTOMAS NEUROLÓGICOS

Sempre que a dor vier acompanhada de outro sintoma neurológico focal o atendimento deve ser imediato. Atentar para fraqueza muscular em alguma parte do corpo, alteração de sensibilidade, confusão mental, alteração visual ou dificuldade para falar ou caminhar. Nestes casos o receio é que haja algumas coisas causando a dor e alterando a função de alguma parte do cérebro, como tumores, abcessos, sangramentos, isquemias, trombose, etc.

Importante destacar que essas são dicas gerais e não regras absolutas. Sempre que a dor de cabeça te incomodar muito e alterar o seu ritmo de vida é fundamental procurar ajuda especializada e de confiança para se certificar do diagnóstico exato e programar seu tratamento o quanto antes (mesmo que ela não preencha nenhum critério citado acima).
 

  • DOR de CABEÇA PÓS TRAUMATISMO

Muito cuidado com dores que surgem após traumatismo relevante na cabeça. O trauma pode gerar inchaço, contusões e mesmo sangramentos dentro e em torno do cérebro. As pessoas mais susceptíveis a complicações de trauma são os idosos, as crianças pequenas e os alcoólatras. Atende para dor que ocorre fora do local exato da batida, para sintomas neurológicos como confusão e sonolência, para secreção saindo do ouvido ou pelo nariz (surgida após a pancada) e hematomas atrás da orelha ou abaixo dos olhos (sinais de traumas mais intensos). Na dúvida é sempre melhor conduzir essas pessoas a um pronto atendimento.

Leandro Teles

Leandro Teles

Neurologista graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com especialização no Hospital das Clínicas (HCFMUSP). É membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e também atua como consultor em programas de TV, rádio, revistas, jornais e portais na internet com o intuito de melhorar a qualidade de vida das pessoas através da disseminação do conhecimento médico. O doutor Leandro está frequentemente presente no Programa Mulheres (TV Gazeta) e Vida Melhor (Rede Vida) e também já participou como consultor ou entrevistado em programas como: Todo Seu, Você Bonita, Notícias & Mais, Hoje em Dia, Domingo Espetacular, entre outros. Também é colunista fixo do portal Vivo Mais Saúde, ao lado de nomes como Márcio Atalla, Drauzio Varella e Laura Müller.