Doença de Parkinson
08/03/2016
Leandro Teles (216 articles)
Share

Doença de Parkinson

INTRODUÇÃO

A Doença de Parkinson (DP) está entre os principais transtornos neuro-degenerativos da atualidade. Acredita-se que cerca de 1% da população acima de 65 anos seja portador. Isso contabiliza mais de 6 milhões de pessoas pelo mundo. Isso a torna o segundo transtorno degenerativo do sistema nervoso central, atrás apenas da famosa doença de Alzheimer.

A doença se manifesta clinicamente, na maioria das vezes, por volta dos 50 a 65 anos de idade, sendo crônica e progressiva. Existem casos de início mais tardios e mais precoces, mesmo antes dos 40 anos. As formas mais precoces podem se associar a Parkinsonismos genéticos (mais raros).

Trata-se de uma doença neurológica crônica e lentamente progressiva.

 

SINTOMAS

Na doença de Parkinson os sintomas motores são os mais exuberantes, a forma mais comum traz uma associação de lentificação de movimentos, rigidez muscular e tremor. O paciente apresenta dificuldades progressivas de realizar tarefas que exijam destreza e velocidade. O quadro geralmente começa de um lado do corpo, acometendo o outro lado na evolução do problema.

O tremor é o sintoma mais característico, mais conhecido, apesar de não ser presente em todos, pois existem formas da doença aonde o paciente não treme (Parkinson atremulante, cerca de 15%). O tremor geralmente é de um tipo específico, sendo pior no repouso (melhorando com o movimento), é geralmente lento (cerca de 4 Hz) e piora durante a marcha. Muitas vezes o paciente parece estar contando dinheiro ou enrolando pílulas, dado a característica um pouco rotatória do tremor nas mãos. Outras regiões também podem tremer, como os pés, o queixo e até a cabeça. Agora, existem muitas outras causas de tremor na população, sendo o mais frequente o tremor essencial (uma doença genética, benigna, aonde o tremor é pior na ação e geralmente bilateral).

Para diagnóstico de Parkinson o médico especialista avaliará o tipo de tremor (quando houver) associado aos sintomas adicionais, como a lentificação e a rigidez.

Os pacientes com Parkinson geralmente apresentam alterações características na marcha (jeito de andar). Os passos ficam mais curtos, o tronco mais curvado para frente, os braços tendem a balançar menos em relação ao corpo (redução do balanço passivo) e existe tendência a queda e instabilidade. Por vezes, os pacientes apresentam dificuldade de iniciar o ato motor, hesitando um pouco no começo de uma caminhada.

Muitas vezes, os pacientes descrevam alteração de sua caligrafia, com letras cada vez menores, evento clínico chamado de micrografia. Além disso, nota-se um rosto menos expressivo e fala mais baixa e monótona.

Além dos sintomas motores, portados da doença de Parkinson podem apresentar sintomas como: intestino mais preso, dificuldade em perceber cheiros (hiposmia), distúrbios de sono (agitação), depressão, problemas de atenção e memória, oscilação de pressão arterial, dores musculares, etc. A alteração de olfato é bastante comum, podendo aparecer muitos anos antes

 

SINTOMAS PRINCIPAIS
TREMOR DE REPOUSO
RIGIDEZ
LENTIFICAÇÃO de MOVIMENTOS

 

SINAIS E SINTOMAS MOTORES ACESÓRIOS
ALTERAÇÃO da MARCHA
ROSTO MENOS EXPRESSIVO
MICROGRAFIA
VOZ BAIXA e MONÓTONA

 

SINTOMAS NÃO MOTORES
HIPOSMIA
DEPRESSÃO
SINTOMAS COGNITIVOS
INTESTINO PRESO
DISTURBIOS DE SONO
OSCILAÇÃO de PRESSÃO

 

 

DIAGNÓSTICO

A doença é diagnosticada pela avaliação clínica. A doença não aparece em exames de sangue e exames de imagem, como tomografia e ressonância magnética. Os exames geralmente são feitos para afastar outras doenças que podem simular o Parkinson, tais como hidrocefalia, múltiplos AVC’s, sangramentos, etc. Muito importante também afastar o Parkinsonismo induzido por medicamentos, que geralmente é mais simétrico, com mais rigidez e parcialmente reversível com a suspensão do medicamento suspeito. As classes de medicamento que podem gerar parkisonismo são: anti-vertigem, remédios para náuseas e medicamentos para psicose e alucinações.

O diagnóstico infelizmente demora muito na nossa realidade médica atual. Os sintomas iniciais podem ser sutis e o paciente deixa passar ou busca profissionais de outras especialidades, tais como ortopedistas.

 

CAUSAS DA DOENÇA DE PARKINSON

 

 

 

 

 

 

A causa definitiva é ainda desconhecida. Acredita-se, atualmente, que existam fatores genéticos de predisposição associados a eventos ambientais ainda desconhecidos.

O mecanismo da doença é a degeneração de algumas áreas cerebrais, principalmente uma região chamada substância negra, no tronco cerebral. Os neurônios dessa região produzem dopamina, um neurotransmissor muito importante para o controle do sistema motor. Na doença, ocorre acúmulo de proteínas anormais levando à morte e disfunção desses neurônios.

 

TRATAMENTO

Não existe cura para a doença. Trata-se de um transtorno crônico e lentamente progressivo. A evolução varia muito de caso a caso, existem alguns que evoluem em poucos anos e outros com evolução em décadas. Existem tratamento para a doença e ele é bastante efetivo, principalmente nas fases iniciais da doença.

Existem diversas opções de medicamentos, que podem ser dados isolados ou em associações. Os medicamentos aliviam os sintomas, sem alterar diretamente a evolução da doença. A maioria é dada pelo SUS.

Além de medicamentos para o quadro motor, são por vezes necessários medicamentos para os sintomas associados, tais como distúrbio de sono, depressão, etc.

Associado ao medicamento é fundamental a indicação de fisioterapia especializada (neurológica), fonoterapia (casos selecionados) e mesmo TO e psicólogos, sendo essa indicação também a depender de cada caso.

TRATAMENTO
Medicamentos quadro motor
Medicamentos sintomas associados
Fisioterapia especializada
Fono / Psicologia / TO
Leandro Teles

Leandro Teles

Neurologista graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com especialização no Hospital das Clínicas (HCFMUSP). É membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e também atua como consultor em programas de TV, rádio, revistas, jornais e portais na internet com o intuito de melhorar a qualidade de vida das pessoas através da disseminação do conhecimento médico. O doutor Leandro está frequentemente presente no Programa Mulheres (TV Gazeta) e Vida Melhor (Rede Vida) e também já participou como consultor ou entrevistado em programas como: Todo Seu, Você Bonita, Notícias & Mais, Hoje em Dia, Domingo Espetacular, entre outros. Também é colunista fixo do portal Vivo Mais Saúde, ao lado de nomes como Márcio Atalla, Drauzio Varella e Laura Müller.