O Estresse e a Atividade Cerebral
29/07/2013
Leandro Teles (217 articles)
Share

O Estresse e a Atividade Cerebral

Quando falamos em estresse falamos de um conjunto de ajustes físicos e mentais necessários para otimizarmos nossa performance corporal e cerebral em momentos mais complicados da vida. Parece algo bom, certo? Certo. O problema não é o estresse em si, mas a frequência e a intensidade em que acionamos esse sistema alternativo de funcionamento. Quando ficamos estressados geramos uma cascata de alterações metabólicas onde priorizamos a resolução de determinado problema, com efeito adverso abdicamos de uma série de questões não prioritárias naquele momento.

O estresse agudo leva a um aumento da pressão arterial e frequência cardíaca, com isso, o sangue circula mais rápido e os músculos conseguem desenvolver uma performance melhor. As pupilas se dilatam, vemos o todo, com baixa percepção de detalhes e nitidez. O cérebro fica a flor da pele, reduz o limiar de decisão, o foco no problema distorce a percepção do que não está em jogo naquele momento. Ficamos menos sensíveis às mudanças ambientais e mesmo a sinais do nosso corpo (sentimos menos dor, vontade de ir ao banheiro, etc.). Existe uma grande liberação de adrenalina e cortisol no sangue. É um sistema que nasceu para ser acionado apenas de vez em quando.

Fica fácil de perceber que o estresse não é um evento sustentável. Na sua forma reacional, intermitente e infrequente ele é saudável. Mais que isso, ele é o colorido da vida, o tempero que permite engolimos nossa insossa existência. Um toque de vermelho no fundo sem graça da rotina e do tédio em que nos enfiamos às vezes.

Agora, na sua forma crônica, intensa ou muito frequente, ele vira um veneno. O estresse arrastado e desmedido lesa o corpo e mina as relações interpessoais. Derruba a imunidade, piora completamente o perfil cardiovascular (agravando o diabetes, a hipertensão, o colesterol alto), descontrola o peso (para mais ou para menos), altera nossa função gastrointestinal, atrapalha o sono, o humor e a performance sexual.

Do ponto de vista neurológico, viver mergulhado no estresse, significa perder os detalhes, dar respostas aceleradas e imperfeitas às perguntas que a vida nos impõe. Estressados percebemos menos o outro, não enxergamos alternativas sutis, somos inábeis e nada criativos. Ficamos mais irritados, impacientes, viver estressado é derrubar o saleiro na salada, cobrir de vermelho uma paisagem que deveria se rica em detalhes e sutileza. O cérebro estressado não dá conta de um rendimento refinado, diferenciado e em alta padrão. A raciocínio fica mais reflexo, ocorre erros de julgamento e a tomada de decisão fica comprometida, uma vez que prioriza-se os resultados a curto prazo, uma espécie de controle de danos.
Como vimos, quem define o risco do estresse é a dose, o tempo e o contexto. Por isso vale muito a pena observar o seu dia-a-dia e investir bastante em atividade física, atividade de lazer, medidas de relaxamento, repouso, etc. Você colherá os frutos tanto na saúde física como no rendimento cerebral a curto, médio e longo prazos.

Texto – Neurologista Leandro Teles – Membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN)

 

 

Tags Estresse
Leandro Teles

Leandro Teles

Neurologista graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com especialização no Hospital das Clínicas (HCFMUSP). É membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e também atua como consultor em programas de TV, rádio, revistas, jornais e portais na internet com o intuito de melhorar a qualidade de vida das pessoas através da disseminação do conhecimento médico. O doutor Leandro está frequentemente presente no Programa Mulheres (TV Gazeta) e Vida Melhor (Rede Vida) e também já participou como consultor ou entrevistado em programas como: Todo Seu, Você Bonita, Notícias & Mais, Hoje em Dia, Domingo Espetacular, entre outros. Também é colunista fixo do portal Vivo Mais Saúde, ao lado de nomes como Márcio Atalla, Drauzio Varella e Laura Müller.